Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Acentuada Assimetria Volumétrica

Experimentei o meu vestido novo, de um florido 'vintage'. Estava nos últimos preparativos da indumentária familiar, para irmos todos ao batizado. À Maria, faltavam umas meias para ténis; ao Quico, o gel para o cabelo; ao Miguel e ao Tiago, uma passadela a ferro nos calções; ao papá, baterias carregadas para as câmeras; e a mim, faltava um sutiã de cruzar atrás.
Ainda pensei em descoser as alças de um dos sutiãs que tinha na gaveta e voltar a cosê-las cruzadas, só para não ter de sair, mas o Pedro convenceu-me a ir tomar o ar do fim da tarde, e podia até procurar a flor para o cabelo que eu tanto desejava havia dias.
Intimissimi, Triumph, Women's Secret..., entrei, experimentei, vesti e despi, transpirei, quase desisti... E eu que nem preciso de sutiãs, logo agora, a menos de um mês de mudar de mamas!...
Os sutiãs de cruzar têm todos aro e almofada, e formam, por isso, uma espécie de concha semi-rígida na copa. E as minhas mamas, de tão desiguais, não admitem copas em concha, sob pena de, ao baixar-me ligeiramente, a copa esquerda ficar naturalmente cheia, enquanto a direita fica notoriamente vazia.
Ainda maldisse o médico que assim me deixou e não mais quis saber de mim, ainda me escorreram duas lágrimas que nasceram grossas, da acumulação provocada pela tentativa de retenção...
E acabei por comprar um sutiã sem aros nem almofadas, cujas alças não cruzam. Amanhã descoso-as cuidadosamente e volto a cosê-las. Cruzadas!

15 comentários:

Susana Neves disse...

Isso é que é desenrascanço. É assim mesmo, umas lagrimitas para desentupir os canais lacrimais e bola pr ´a frente.

Beijinhos

Madalena disse...

Sinto-me sempre com falta de palavras para comentar o que tu dizes, para dizer o quanto gosto. E olha que isso não me acontece muitas vezes. Tenho sempre a resposta na ponta do "dedo". Mas é tudo tão intenso neste post sobre "soutiens", digamos.... Tudo tão intimamente belo! Beijocas! Eu ando à volta com um pneu que não abate à volta da minha cintura e que me está a estragar a "toilette" do casamento que tenho no sábado. Aceito sugestões!

Nela disse...

Madalena, fazes ao contrário do que fez a Guida: coses e só descoses no dia do casamento - a boca, pois claro! hehehehe

Guida, é mesmo bola pr'a frente, como diz a Susana. Está aqui um retrato intenso e sentido do que é viver assimétrica. Mas também leio um retrato intenso e sentido do que é ser amada e do que é ser vitoriosa. E não digo isto por teres vencido uma doença - digo isto por ires vencendo o difícil dia-a-dia e todos os "pequenos" obstáculos que a doença semeou (o diabo esconde-se nos detalhes...).

Beijinhos e boa costura (a do soutien e a da alma)

Cristina Simões disse...

.olá...nem sei o que te dizer......pois ando cá com uma neurazinha em relação as OLá..mamocas....que gaita sofri tanto com esta cirurgia...e afinal sinto que não ficou nada nada do meu agrado.e pra mais fiquei com uma costura enorme de feiosaaaaaaaaaaa nas costas...enfim..........amiga se eu soubesse antes o que sei hoje.........!!!!!!!!afinal tenho que andar com um pequeno enchimento na mama reconstruida....lolllllllllllllllll
o vida risos

Guida Palhota disse...

Susaninha,
A vida não nos dá as hipóteses todas, mas dá algumas. E uma coisa nos deu ela a nós: a capacidade de lutarmos por ela! Todavia, isso não invalida alguns momentos de desânimo, que vão sendo cada vez mais fugazes, à medida que amadurecemos, mas penso que nunca deixarão de existir.
Desenrascarmo-nos é uma palavra de ordem!
Obrigada pela tua calorosa mensagem.

Beijinho

Guida Palhota disse...

Madalena,
Tu tens sempre palavras, menina. E eu tenho gostado muito delas.
Sabes, por aqui também já há pneus de várias marcas, e é especialmente à volta da barriga. No dia a dia, recorro a camisas ou a blusas com um folho ou coisa que o valha. Nos dias em que preciso de "enganar alguém" (LOL), uso umas cuecas de encolher a barriga (ou modelo da avó ;))
As saias de viés, como começam logo a alargar a partir da cintura, também fazem um bom serviço...
Agora também te digo, Mada: a Nela tem razão! LOL
Grata pelos miminhos.

BEIJO GRANDE

Guida Palhota disse...

Olá, Cris!
Já foste queixar-te ao médico? Isso é importante. Eles não podem ficar a achar que nós estamos contentes, quando, na realidade, estamos destroçadas.
Pensa em reivindicar aquilo a que tens direito, ok!?

Beijinhos

Ana Paula disse...

Amiga deixa para lá daqui a uns tempos tens umas momocas novas. Eu já vou para consulta de plástica. No i.p.o.a espera é muito longa. Eu queria fazer na Prelada. Vamos lá ver se eles deixam.

Anónimo disse...

É ainda com enorme susto que leio os seus post e .os comentários

Anónimo disse...

Explico : Tenho 55 anos de vida tranquila, a viver no campo há 27 anos a cultivar e a comer os legumes biológicos da horta ,tenho um trabalho artistico e criativo que me satisfaz, um marido que é o amor da minha vida... e... agora isto ! Foi-me diagnosticado um tumor maligno na mama !!!! Eu que não tive doenças que não punha os pés nem na farmácia...
----- Vou começar quimioterapia no próximo dia 16 -junho e quando digo isto...engulo em seco, tremem-me as mãos... Estou assustada !!!
Mas agradeço-lhe a sua partilha li todo o seu blog ou quase e " vou" um pouco + avisada.
Beijos para todas !!!!

Guida Palhota disse...

Ana Paula,

Obrigada pela visita.
Sinto-me NUMA reta final. Espero não me enganar!...
E espero, também, que, a ti, tudo corra bem, como desejas.

Um beijinho

Guida Palhota disse...

Querida visitante Anónima!

É natural o susto. E humano. À primeira vista, não há nada de bom naquilo que nos espera depois de uma notícia de cancro, mas o modo como conseguimos encarar o que veio, o que vem e o que ainda está para vir pode fazer toda a diferença entre uma vida destroçada e uma vida revalorizada.
É revalorizada que eu me sinto, hoje, passados quase 3 anos e meio sobre o início de um processo que, no meu caso, tem sido bastante mais longo do que era de prever.
Se me permite, vou abordar o que sei de si na perspetiva do meu psiquiatra:
Por um lado, tente encarar os seus 55 anos de vida saudável como um longo período bom, período de sorte, pois é assim que deve ser visto o facto de só agora ter descoberto uma doença; por outro lado, acredite que estar doente neste momento não significa estar doente num próximo, pois vai iniciar um processo para se curar e isso vai acontecer.
Olhe para a frente com otimismo. Apareceu-lhe um problema grave para resolver. Mas vai resolvê-lo! E, com muita garra, vai conseguir ir ultrapassando etapas, vencendo batalhas, aumentando cada vez mais a sua autoestima, até se considerar uma vencedora, capaz de ultrapassar qualquer provação que a vida lhe apresente.
Não lhe vou dizer que não haverá momentos baixos, até porque já os deve ter lido por aqui, mas momentos baixos todos têm, de uma espécie ou de outra, com ou sem doenças, e ultrapassá-los com esforço próprio é imensamente compensador.
Se sentir que a poderá ajudar, consulte um psiquiatra que lhe recomendem. Desde já. Para mim, ele esteve em falta durante muitos meses, mas agora sinto-me bem, com o apoio de alguma conversa e de medicação.
Digo-lhe ainda que, neste novo momento da sua vida , talvez tudo venha a ser muito menos mau do que está a parecer-lhe agora.
Apareça por aqui sempre que quiser, pergunte o que lhe vier à cabeça, desabafe à sua maneira, esteja à vontade. E se ou quando quiser conhecer o grupo de mulheres que têm ou tiveram cancro da mama, de que faço parte (gente de todo o país), poderá também entrar no nosso grupo fechado do Facebook, onde falamos literalmente de tudo, sem que os de fora tenham conhecimento. E também nos encontramos ao vivo, quando estamos com saudades. Estou a falar daquele que batizámos com o nome de Gang da Mama.
Por hoje, não me alargo mais.
Estou aqui para aquilo de que necessitar.
Vai ver que tudo vai correr bem.

Um beijinho

acácia rubra disse...

Deixei um selito para ti.

Beijos

Pedro disse...

Eu entretanto já carreguei as baterias o que quer dizer que já temos para mais algum tempo!!

Venham, pois, bons motivos que logo os guardaremos para mais tarde recordar.

2 beijos descosidos, cruzados, cosidos e carregados

Guida Palhota disse...

Olá, Acácia Rubra!

Vou já procurar esse selito.
Muchas gracias!

Y besos