Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Material de Sonho













(Pormenor de tela de Victor Costa)

À espera da terceira intervenção cirúrgica necessária ao processo de "tirar mama verdadeira; formar mama inventada" (sem contar com aquela operação de urgência por se ter derramado por baixo da pele o líquido do expansor - pois, com essa, são quatro), tenho sentido alguma ansiedade.
É que quatro cirurgias às mamas em dois anos, todas com anestesia geral e já com a experiência acumulada em cada uma delas... era preferível não!
A próxima é, como já por aqui fui anunciando, para inventar um mamilo, por repuxamento da pele, e para tatuar uma aréola. Isto na "mama inventada". Mas a mama natural e saudável (espero!) vai também novamente à faca - mais uma vez para acertar tamanhos e formatos, para equilibrar.
Por esta não esperava eu. Mas a verdade é que ando a tomar medicação que engorda... E, quando uma mulher engorda, as suas mamas ficam maiores. Ora, eu só tenho uma mama para crescer (é preciso não esquecer que na invenção que mora em mim do lado direito do peito há zero por cento de tecido mamário!), pelo que me encontro, neste momento, em desequilíbrio mamário bastante maior do que o natural (todos sabemos que de um lado de nós não há igualdade absoluta relativamente ao que temos do outro lado, mas as diferenças só são verdadeiramente conhecidas pelo próprio, o que não é o meu caso!). O meu desequilíbrio sofreu correcção logo na primeira operação, pois, ficando a direita mais pequena e subida, era inevitável o acerto. Agora fico a pensar no que será o resto da minha existência (na melhor das hipóteses, ou seja, não sendo vítima de nenhuma recidiva), quanto aos desequilíbrios, pois, não estando a questão de manter ou aumentar o peso inteiramente sob o meu controlo, às tantas já só saio equilibrada de casa se usar uma boa porção de algodão em rama do lado direito...
Ora bem, se durante o meu estado de vigília nem me tenho aborrecido muito com esta realidade, pois a dor continua a ser a minha principal arrelia, a verdade é que, enquanto durmo, já fui visitada, por três vezes, com a adesão a um tratamento diário, por via oral (uma simples cápsula engolida ao pequeno-almoço) que tem o milagroso efeito de fazer crescer um novo mamilo. E, à medida que ele vai surgindo, eu vou passando pelo espelho, saudando, maravilhada, o crescimento natural, em mim, de uma parte do meu corpo que me foi roubada, porque teve de ser, mas cuja falta eu ainda não consegui aceitar.
No meu novo sonho recorrente (que acontece num período em que espero que me chamem para a cirurgia, mas sem saber se é hoje ou daqui a vários meses...), eu já não preciso de voltar à faca; não vai mais ser necessário darem-me alta com drenos nem retirarem-me os drenos aos puxões, por já estarem "colados" aos tecidos; e eu não vou precisar, pela quarta vez, dos tradicionais seis meses de recuperação de uma cirurgia normal.
No meu sonho, eu sorrio ao espelho, percebendo que o meu novo mamilo vai, lenta mas eficazmente, restituindo integridade à minha mama agora escorrida...
No meu sonho, eu sinto-me feliz por a medicina ter chegado tão longe, em tempo útil para mim.
Mas, como aquilo sobre o qual escrevo é um sonho do sono, chega sempre a hora em que acordo e experimento uma sensação de revolta exactamente por ter sonhado o que sonhei. É como se alguém andasse a enganar-me, a brincar às escondidas comigo, iludindo-me com a possibilidade, para, logo a seguir, maquiavelicamente, me provar que eu não estou mais do que alucinada.

10 comentários:

ana disse...

Olá Guida!
Estamos mais ou menos no mesmo patamar,só que a técnica no meu caso foi o retalho dorsal, ou seja, ganhei mais uma enorme cicatriz a meio das costas. Também estou à espera da próxima chamada que incluirá mais um retoque à mama restante e o tal do mamilo... É muita anestesia, não é? Isso não nos reduzirá a capacidade de aguentar os miúdos na escola?! (eu retomei o serviço assim que acabei a radioterapia)
Ocorrem-me as mesmas dúvidas quanto às possíveis alterações de tamanho, ao grau de satisfação findo este longo processo... Enfim... Revejo-me muito no que leio por aqui!
Um beijo
Ana

Guida Palhota disse...

Olá, Ana!
Não sei quem és e talvez gostasse de conversar contigo. Se isso também for do teu agrado, escreve-me para guidapalhota@gmail.com.
Obrigada por teres deixado o teu testemunho.
Aparece sempre e boa sorte.

Um beijo especial

alfa disse...

Guida: Li o teu post sobre esta matéria tão séria um pouco à pressa, mas não quero deixar de te lembrar que os amigos servem para todas as ocasiões. Assim, ... e porque não reunires um conselho geral....para entre todos e tu também, escolhermos as melhores, as mais bonitas, as mais das mais para ti e já agora, mais agradáveis à nossa vista, (eu ia ficar cheia de inveja, porque sabe deus, a força da gravidade)...afinal temos participado todos um pouco nesta história....LOLOL, quanto às anestesias, esquece lá isso, anda para aí tanta gente que nunca levou nenhuma e anda toda trocada....LOLOL

Amiga morena, depois passo para falar a sério, ok? Já agora, Ana tudo a correr bem, também consigo.BJS para as duas.

Guida Palhota disse...

Sabes, Alfa, as melhores das melhores que eu queria eram as que foram crescendo em mim no tempo certo. Mas, na impossibilidade de regresso ao passado, escolheria duas simétricas que não me causassem qualquer dor nem desconforto - sem conselho geral (LOL).
Quanto às anestesias, claro que tenho de viver com aquilo que tenho e com aquilo de que preciso. É a lei da vida: vamo-nos transformando, a muitos níveis, e adaptando a novas realidades, uas mais simpáticas, outras menos.

beijocas

Pedro disse...

Ó menina Alfa, que vem a ser isso do conselho geral??!! Pois eu acho que quem devia participar nessa escolha, apurada digo eu, devia ser eu. Quem melhor e mais indicado que eu para aconselhar aqui a autora? Não me importarei de passar horas a fio, folheando catálogos ou, até mesmo, organizando uns "castings" de modo a que as eleitas provenham de um criterioso processo de escolha.
Abram-se, então, as inscrições para os castings.

Guida Palhota disse...

Ó menino Pedro, hmmmmmmm! Que é que vem a ser isto, hein?!... Então o menino não concorda com o conselho geral mas está mortinho pelos castings?!...
Andamos a brincar, isto é algum programa de rádio ou que é isto, hã?!...
Já me tinhas era dito, filho, mas, como foi em grego, eu não entendi bem, estás a ver?!...
Vem cá, vem!!!
...

alfa disse...

Pedro desculpe, mas não vejo mal nenhum que entre todos possamos ajudar a Guida a escolher as que mais gostar, parece-me que quanto mais opiniões mais fácil será de obter um resultado unânime, senão só poderá ser a própria Guida a fazê-lo, afinal é ela que vai ter que viver com elas e olhar para elas todos os dias, portanto. Bem, no entanto se a Guida, preferir apenas a sua opinião, fazer o quê, que assim seja. Só estava a querer ajudar...LOL Bem , Guida organiza lá isso de forma a que não te traga nenhum stress e depois fazes um jantar de inauguração, sem fita e sem placa, sem nada, apenas com champanhe. Combinado? Eu vou daqui de propósito para o evento... se me deixarem entrar, depois da audácia....LOL beijos para todos.

alfa disse...

Agora é a minha parte séria que fala. Um dias destes vi uma reportagem num canal americano sobre o assunto e o que as americanas estão a optar, é por fazer logo aos 2 peitos, primeiro porque retira a possibilidade imediatamente de aparecer no outro peito e a cirurgia estética, resulta melhor, porque fazem as 2 mamas novas e iguais e lindas. Falaram inclusive de uma actriz que o fez e que tornou público o facto. Neste momento, são várias as mulheres que optam por esta solução....parece estranho mexer numa mama sã, mas diminui o risco, fala com alguém que te possa aconselhar sobre o assunto, não é nada de transcendente, é absolutamente necessário é que te sintas bem contigo depois. Um beijo grande para todos.

Ana, força a jornada é um bocadinho longa, mas por aqui temos o hábito saudável de nos ajudarmos uns aos outros, mesmo ao longe e apenas através das palavras. Volte sempre a casa da Guida, que é muitas vezes uma animação. bjs

Guida Palhota disse...

Alfa:
Obrigada pelos momentos sérios e pelos brincalhões. Tem sido importante saber que te importas comigo, mesmo sem eu te dar nada.

Já tinha ouvido falar dessas mastectomias bilaterais de prevenção, mas dificilmente eu teria enveredado por isso, porque não tenho qualquer história familiar de cancro da mama. E hoje também não o faria (apesar de o grau de probabilidade de ter uma recidiva na mama contralateral ser maior do que nas pessoas sem história de CM), porque o meu nível de desconforto é enorme, por ter sido submetida a radioterapia, o que me roubou de tal forma a tonicidade da pele e do músculo grande peitoral que me impede de pensar positivamente numa hipótese dessas.
Quem o fizer preventivamente, poderá esperar conforto, pois, sem cancro, não precisará de radioterapia. Mas eu estou traumatizada. A sério.
Agradeço-te, todavia, todas as sugestões.

um beijo especial

alfa disse...

Guiiiida, estou aqui escondida debaixo da mesa,... fala baixinho...Olha, viste o Pedro? será que ainda anda a fazer inscrições?...LOL

beijos para ti e tb para o Pedro