Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

sábado, 10 de abril de 2010

Os Dias da Raiva - III

As "meninas" com cancro da mama devem mostrar-se sempre muito valentes e ganhadoras. São todas umas heroínas. Eu também, o que é que pensam?! As pessoas olham para mim como se eu fosse especial. Mas eu nem corri. Nem dá, portanto, para ser 'especial de corrida'.
Que valentonas que nós somos! Aguentámos e aguentamos (e o acento gráfico faz a diferença!!!) aquilo que tivemos e que temos de aguentar e mais nada. Queriam o quê? Que nos deixássemos morrer, negando os tratamentos?! O que tem de ser tem muita força e toda a gente aguenta, sem ninguém ser herói ou heroína. É-se, apenas, sofredor à força (porque ninguém gosta de sofrer!), mas não se é diferente dos outros para melhor nem para pior.
Não gosto que me elogiem, nem que elogiem as outras, porque, em abono da verdade, lutámos e lutamos (e o acento gráfico faz a diferença!!!) só porque tem de ser!
Mostrar o desânimo, a raiva, o cansaço, as saudades dos dias em que o corpo era inteiro, livre, solto, leve... é mau porquê? Porque assim desanimamos os outros?! Ah! Que chatice, não é!? Pois eu aos outros digo a verdade de mim. E agora, apesar de ninguém ter culpa, eu estou com raiva.

6 comentários:

Vitor disse...

Por aqui a passear-me, porque me apeteceu…e porque não faz ainda três horas, que pela terceira vez fui lanceolado no meu M.M. (Melanoma Maligno), de estimação que não me larga por nada deste mundo…mas podes crer que quem o vai devorar sou eu…não me chame Vítor…Estou irritado, mas o “crocodilo”que se cuide, que é uma chatice quando me irrito, mesmo com muitas dores…daí, muita força para todos nós, mesmo irritados!

Beijos

Guida Palhota disse...

Sabes, Vitor, eu tenho a sensação de que, para termos as forças de que realmente necessitamos, precisamos mesmo de ser genuínos, e a genuinidade inclui a irritação!
Claro que vamos ganhar isto tudo, mas eu sei que muitos dos que não sabem só toleram em nós momentos de optimismo, sem lhes interessar se ele é fabricado, para manter aparências, ou se é sincero.
E o que eu quero é poder mostrar-me triste, quando estou triste, e contente, quando estou contente, sem que a revelação dos momentos baixos sirva logo como termo de comparação para me apontarem aquelas pessoas que por tanto passam e estão sempre optimistas. Porque eu também sei mostrar-me sem dor e sem pessimismo - apesar de por dentro ir o inverso!!! Mas não quero. Eu quero ser genuína!

Obrigada por teres falado de ti. É bom partilhar.

E "o 'crocodilo' que se cuide!

S. disse...

"eu tenho a sensação de que, para termos as forças de que realmente necessitamos, precisamos mesmo de ser genuínos, e a genuinidade inclui a irritação!"
Subscrevo e, se me permite, Continue!

Guida Palhota disse...

S.,

Como disse o Ruy Belo,

"Nos dias de hoje ou nos tempos antigos
não preciso de menos que todos os meus amigos".

Preciso de si.

O problema é deixar sair a raiva, quando nos encontramos.
Parece que estamos de tal maneira formatados para a contermos, que tenho a sensação de que, a maior parte das vezes, nem percebemos que há revolta em nós, e as palavras não sabem dizê-la porque nem têm bem consciência dela.

Obrigada por me apoiar

um beijo

Aníbal Meireles disse...

Das coisas mais desanuviadas, sensatas, racionais e esclarecidas que eu já li, e neste caso é para dizer que tem muito valor, porque vem de quem o sentiu na pele.

De facto é surpreendente aquilo que nós conseguimos aguentar em tempos de adversidade. E qual o real mérito disso ?

E se alguém não consegue, é sinal de fraqueza ? Os genes que nos calham fomos nós que escolhemos ?

Quantas escolhas podemos nós na realidade fazer ? Está mesmo TUDO, com letra mesmo grande, ao nosso alcance ? Claro que não, se não não havia lugar ao progresso, à evolução, caso já estivesse tudo inventado e descoberto.


Pegando no teu último comentário,
acabei de ver há poucos minutos uma série cómica em que o cenário é o de uma reunião de entreajuda. E as pessoas que vão à reunião sentem muita dificuladade para expressar os seus sentimentos. Um deles a custo lá diz que cada vez que veste a camisola que tem naquele momento vestida, tem comichão. O outro, já meio a chorar diz que de vez em quando tem calor e o outro diz que noutro dia ouviu um música e isso o pôs bem disposto.

É uma belíssima descrição da ironia do que temos por essencial. Para nós aquilo é normalíssimo, nada difícil, embora por vezes nem nos assalte a profundidade que gestos banais possam ter (mas isso daria outro parágrafo), mas talvez porque é o socialmente aceite e nos seja transmitido com normalidade no seio social. Coisas mais importantes, mais profundas, que requerem alguma introspecção e autoanálise de coisas que não nos deixam confortáveis à primeira, e aos outros talvez nunca deixem confortáveis mesmo, essas ficam para os psicólogos e psiquiatras analisarem, mediante o nosso generoso pagamento.

Já era altura de algumas noções que foram entretanto estudadas nos fossem ensinadas nas escolas.

Cada vez percebo mais que na escola não nos dão as ferramentas necessárias para podermos ser verdadeiramente arejados na vida, só nos dão o pé de cabra para o desenrasque.

Lina Querubim disse...

Guida, vais me desculpar mas somos Guerreiras!
Passar pelo que passámos não é facil e sabes. Tem muita gente que desiste de fazer tratamentos e desistem de viver, tal é a tristeza que assumirem que têm cancro. Eu cheguei muitas vezes a falar com pessoas que se sentiam assim e fiz-lhes ver que se aqui estão é porque têm uma missão a cumprir que ainda não era a chegada da hora delas e que se lembrassem daquelas(os) que lutaram e o bicho levou a melhor :o(((