Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Aprendizagens Soltas Sobre a Doença

1. Os doentes são pessoas.
2. Quando adoecem, as pessoas não mudam a sua personalidade.
3. Os amigos de pessoas doentes devem procurar saber como estas preferem lidar com a doença.
4. A presença física ou virtual dos amigos deve corresponder mais ou menos ao que se passava antes da doença.
5. A doença em si deve ser designada de forma correcta e científica, sem eufemismos: por exemplo, se alguém é operado a uma mama, não se diga que tal aconteceu a um peito ou a um seio.
6. Há sempre quem esteja mais doente que o nosso amigo doente.
7. Não devemos silenciar os nossos sentimentos para com um amigo doente. Ele vai apreciar muito mais a nossa sinceridade do que palavras forçadas de incentivo.
8. Não devemos espalhar que o nosso amigo está doente sem sequer termos falado com ele.
9. Palavras ditas ou escritas a um doente podem fazer milagres...
10. Quem está doente não espera mais do que melhorar. Encaremos, portanto, a doença sempre como um estado transitório.
11. Visitar um amigo doente deve passar pela aprovação do próprio ou daquele(s) que dele cuidam.
12. O nosso amigo doente pode querer ou não falar connosco, independentemente de gostar ou não muito de nós.
13. Como no estado saudável, os doentes têm momentos de força e momentos de fraqueza, sem que isso signifique que são pessoas fracas.
14. Não devemos dizer a um doente que ele tem de ter pensamento positivo para melhorar mais depressa, porque isso nem sequer é verdade e pode ser contraproducente.
15. Há muito mais gente doente à nossa volta do que aquela que imaginamos.
16. Os próximos a estar doentes podemos ser nós.
17. Nunca devemos comparar a doença e as reacções do nosso amigo doente com as de outros que nos pareçam comparáveis. Diferentes na saúde, as pessoas são também muito diferentes na doença.
18. Pensemos sempre que há um mar de coisas sobre o estado do nosso amigo que podem ser quase inimagináveis, por mais que nós saibamos sobre o assunto e ele nos tenha contado.
19. O dia de um doente pode ser monótono e triste apesar do brilho intenso do sol. Devemos conseguir proporcionar-lhe momentos perfeitamente iguais aos da vida saudável.
20. Aprendamos com os nossos doentes a valorizar os momentos sem dor e sem mal estar, fazendo tudo o que estiver ao nosso alcance para os prolongar e multiplicar.
21. Os doentes adquirem sabedoria que devia ser partilhada.
22. Nenhum doente gosta de perceber que os outros sentem pena de si ou o tratam por ou com compaixão.
23. Estar doente acarreta muita solidão, por maior que seja o número de saudáveis empenhados em minorar essa realidade.
24. Estar doente é seguramente uma das maneiras mais difíceis de se estar na vida.
25. O pior da doença é a noção de dependência e de falta de liberdade.
26. A doença é o verdadeiro teste à amizade e ao amor.
27. A doença oncológica muda a mundividência do doente.
28. Estar internado num hospital oncológico é uma excelente via para atingir a humildade.
29. Acreditemos que por mais que privemos com doentes nunca saberemos tudo o que lhes vai no corpo e na alma.
30. Doentes são pessoas especiais: tristes pela privação da normalidade, mas em engrandecimento humano pela aceitação da experiência.
31. Não estar doente é motivo suficiente para todos os dias erguer um louvor, um agradecimento...

4 comentários:

Vítor disse...

Obrigado, Guida, por estes 31 Mandamentos!

Beijo

Guida Palhota disse...

É só a minha visão da "coisa", Vítor, nada mais. Até gostava que aparecessem vozes argumentativamente discordantes...
Queria conversa!

:-)

Lina Querubim disse...

Guida, continuo a dizer que gosto do que escreves. Posso colocar este ou alguns posts que vou encontrando no meu blog????
Claro que direi de onde os tirei ;o) obrigado e beijokas

Guida Palhota disse...

Lina:
Claro. Somos umas para as outras.

Beijocas também para ti.