Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

domingo, 17 de janeiro de 2010

'Cancros da Mama' versus 'Cancro da Mama'

Antes do início da leitura deste texto, convém vincar que os Cancros da Mama afectam homens e mulheres, como quase todos os outros. Claro que o cancro da próstata será difícil de esperar numa mulher, como o do colo do útero num homem...

O cancro é uma doença que resulta de uma incapacidade de o organismo se defender das células defeituosas que se produzem constantemente no nosso corpo. Se os nossos mecanismos de controlo de tumores falharem, ou seja, se o nosso sistema imunitário estiver em défice no que respeita ao espírito combativo, há um alto grau de probabilidades de não haver processamento defensivo relativamente a um corpo estranho.

Este será um caso em que a lesão num tecido não conseguirá atrair células imunitárias que cumpram o seu papel de reposição do estado normal, localizando e destruindo bactérias.

Neste caso de debilidade, os pequenos vasos sanguíneos que alimentam qualquer célula saudável do organismo e estão em constante processo de reposição (pois são utilizados em permanentes situações de combate a invasões) não são repostos mas sim tomados pelo processo inflamatório. E as células cancerosas aproveitam-se deles para se abastecerem para uma guerra que começa por imitação da nossa capacidade de nos regenerarmos - pois conseguem fomentar o crescimento de novos vasos sanguíneos, para fazerem proliferar o seu domínio, viajando pelo corpo e instalando-se em outros locais. Originam aquilo a que chamamos metástases.

Ora, convém insistir na ideia de que este processo ocorre por deficiência do nosso sistema imunitário, algo que, à partida, é poderoso, mas sofre enfraquecimento por várias ordens de factores, factores sobre os quais escreverei um dia destes e que podem ser evitados por diferentes tomadas de atitude existencial...

Hoje, depois desta longa introdução, o meu intuito é revelar a diferença entre cancros, nomeadamente a que diz respeito aos cancros da mama. E isto porque sei que, quando se ouve dizer que alguém conhecido "também tem cancro da mama", acontece uma imediata comparação entre este novo ser afectado e todos aqueles que já conhecíamos. E a comparação vai no sentido de se considerar que todas estas pessoas sofrem de um mal igual. ERRADO!

E, como é errado, faz tão mal ter de ouvir, já sem vontade de explicar, pela frequência do embate, declarações como esta:
"Já sabes que aquela actriz conhecida também tem cancro da mama, claro. Mas olha, foi operada depois de ti e já apareceu a falar, e com um vestido de alcinhas."

A vontade seria inspirar-me no Vasco Santana e dizer "cancros da mama há muitos, seus palermas"! Mas não devo nem posso fazer isso, porque, antes de ser eu também uma das afectadas, o meu grau de ignorância sobre este assunto talvez me levasse a erros semelhantes...

Para começar, o cancro da mama é muitas vezes ductal, isto é, desenvolve-se dentro de um ou mais ductos (canais por onde, na mulher, circula o leite). E é sobre este tipo, APENAS, que vou expor algumas diferenças a considerar.

Um carcinoma ductal pode estar confinado ao interior do ducto (carcinoma ductal in situ) ou ter características que o levam a transpor o ducto (carcinoma ductal invasivo). O meu era invasivo.

Sofrendo de um destes tipos de carcinoma, uma pessoa pode ter um ou N tumores. Eu tinha N, em comunicação - intraductal invasivo, portanto.

Tendo só um nódulo, o procedimento pode, muitas vezes, ser o de retirar apenas o tumor ('tumorectomia'), preservando a mama. Todavia, se o nódulo for grande (ou por outros factores), poderá ser necessário retirar todo um quadrante ('quadrantectomia'), ou seja, um pedaço da mama. E se os nódulos forem vários, grandes, em comunicação, espalhados ou distantes, a intervenção a efectuar tem o nome de 'mastectomia' e leva toda a mama. Eu fiz uma mastectomia.

Durante a operação, os médicos têm acesso ao grau de ramificação do cancro, através da análise do 'gânglio sentinela', que é o primeiro da cadeia linfática do braço, para onde, em primeiro lugar, o cancro pode espalhar-se. Se o sentinela estiver afectado, será necessário verificar o resto da cadeia, com a probabilidade de encontrar alguns ou muitos gânglios infectados, que terão de ser removidos. Quanto mais gânglios forem retirados, mais enfraquecido ficará o braço, para sempre, e pior é o prognóstico de cura. O meu gânglio sentinela estava limpo.

Após a intervenção cirúrgica (para quem não necessitou de tratamentos prévios - para reduzir o tamanho do(s) tumor(es), por exemplo), o exame histológico aos tecidos extraídos ditará, para a equipa médica, os tratamentos necessários para prevenção de recidivas. Há quem se fique pela cirurgia, há quem precise de um pouco mais e há quem precise de muito mais. E, para a tomada de decisão, são importantes factores como o estádio da doença e a idade do doente. Mesmo num estádio inicial, doente considerado ainda jovem é doente a tratar da forma mais agressiva, pois, em princípio, a malignidade que atingiu o seu organismo está ainda muito capaz de voltar a atacar. Eu sujeitei-me a quimioterapia, radioterapia e hormonoterapia.

O protocolo não é, evidentemente, igual para todos, o que faz com que o número de sessões de quimio e de rádio seja diferente de pessoa para pessoa, o tempo gasto em cada tratamento seja maior ou menor, o cabelo caia ou não caia, ainda que se faça quimio, etc.

E, entre tantas outras questões, apetece-me ainda referir a questão da reconstrução mamária. Há de tudo. Quem queira e quem não queira. Não é obrigatória, mas faz parte da recuperação - hoje em dia.

Quem faz tumorectomia não tem nada a reconstruir (!). Retira um corpo estranho que tinha dentro da mama, que, para tal, é aberta e fechada. Salvas as devidas diferenças, vou estabelecer uma comparação entre uma extracção de apêndice e uma extracção de um tumor mamário. Com vantagem para o tumor mamário (se não houver metástases), nos casos em que a operação é acompanhada por um cirurgião plástico.

Quem faz quadrantectomia já pode querer uma intervenção plástica.

E quem faz mastectomia... se não a quiser, assume claramente que fica sem um pedaço que era seu - para sempre. E poderá, depois, usar uma prótese externa, que se coloca entre a pele e o sutiã.
Mas, se a quiser, como eu, tudo se passa de forma(s) mais complicada(s), com os seus custos a nível físico e psicológico.

Há vários modos de o fazer: a reconstrução total imediata; a reconstrução após um período de adaptação da pele (usando um expansor, que, à frente, descreverei) para receber uma prótese definitiva, de silicone; a reconstrução através do aproveitamento de tecidos da barriga ou das costas...

Eu usei um expansor durante 15 meses e tenho uma prótese de silicone desde Abril passado.

O expansor é uma espécie de balão, que me colocaram por baixo da pele da antiga mama natural, no momento da primeira intervenção. É um saco, portanto. Um saco que se expande. E a expansão, que acontece através de injecções de soro fisiológico, é feita gradualmente. Saí do bloco operatório com 50 ml de soro num balão com capacidade para 350 ml. Depois disso, a cada conjunto de quatro ou cinco dias, tinha de voltar ao hospital - para encher! Enche-se usando um íman que detecta o "pipo", faz-se a marcação do sítio exacto com uma caneta e espeta-se a agulha da seringa para injectar 50 ml. E, de cada vez que se regressa "com mais algum", a autoestima eleva-se.

Mas o expansor, elemento rijo como uma tigela, começa a incomodar quando já está cheio. Especialmente depois da radioterapia, que destrói células, provocando um encolhimento da pele. O expansor fica, literalmente, apertado, sem espaço suficiente para que a paciente se sinta normal. E o incómodo torna-se permanente. Só dormir resolve o problema. Ou então uma ajuda psiquiátrica... porque dor constante é sinónimo de irritação crescente... Com o meu expansor, a sensação era a de que vestira, por engano, um sutiã vários números abaixo do meu. Um sutiã que não podia tirar, apesar de me magoar muito. Troquei-o, há nove meses, pela definitiva prótese de silicone, a qual não me trouxe o alívio esperado e me obriga ainda a sessões diárias de fisioterapia, numa tentativa de "descolar" a pele e o grande peitoral da prótese à qual "aderiram" por fibrose. Com implicações na condução e na passagem do cinto de segurança. E também no meu estado de espírito, que solicitou medicação para a dor e para a tolerância...
A minha mastectomia tem estes contornos; outra mastectomia poderá ter outros; uma quadrantectomia trará consequências diferentes; e a tumorectomia é algo que imagino mais simples. E ainda há quem também tenha cancro da mama, e o trate com sucesso, sem nunca chegar a qualquer tipo de cirurgia.

Não sei se alguém teve paciência para ler este texto até aqui. Se for o caso, gostava que ficasse claro que sofri por me compararem com outras pessoas. E a verdade é que cada caso é um caso, e é assim para tudo na vida, não só para o cancro da mama.

Não digam, por favor: Aquele (ou aquela) sofre do mesmo que tu.
E nunca acrescentem: E já faz isto ou aquilo e desta ou daquela forma...

Não há mesmo "cancro da mama"; há "cancros de mama".

2 comentários:

Lina Querubim disse...

Gosto da forma como explicas as coisas como falas no cancro da mama!
E estou a ler tudo sim! :o) beijoka

Gatapininha disse...

Olá
Li tudo e concordo perfeitamente contigo.
jokas