Dedico e dirijo este blogue a todos aqueles que tiverem passado (ou estiverem a passar) por histórias de cancros, quer como protagonistas, quer no papel de acompanhantes na luta contra a doença, mas espero por cá encontrar qualquer contributo que qualquer um considere válido.
A intenção principal é trocar experiências de forma direta e sincera, sem necessidade de qualquer apoio no escudo da força constante e do pensamento sempre positivo, que tantas vezes não estão presentes, mas parece haver uma imposição social para que assim seja...
Sejam bem-vindos! E divulguem este blogue!

Por aqui, discorre-se sobre:

... Acompanhamento Psicológico Ajudar quem Ajuda Alertas Alimentação Alopécia Antes e Depois Aquisições autoestima Brincadeira Cancro da Mama nos Homens Cansaço Chamar os bois pelos nomes Cirurgias Cirurgias de Amigas Codependência Coisificação nas Doenças Prolongadas Complicações Pós-operatórias Consultas Conviver Cumplicidade Dar / Receber a Notícia Desafios Desânimo Desejos Desespero Despedida Diagnóstico Dicas Dieta Distinções Efeitos Secundários de Medicação Emagrecer Encontros de Amigas Esclarecimento Esperança Estilo de Vida Estímulos Exteriores Exames Pré-operatórios Exemplos Famosos Com Cancro Feminilidade Filosofia de Vida Pós Doença Fisioterapia Fracassos Gang da Mama histerectomia Histórias de Luta Hormonoterapia Hospitalizações Humor Implicações Psicológicas Incongruências Informação Lingerie Correta Lingerie Pós-Operatória Medos Meios Complementares de Diagnóstico Meios de Diagnóstico Menopausa Depois do Cancro da Mama Modos de ser Mudanças na Vida Natal Nova Normalidade Novas Amizades Novidades O Cancro em Pormenores O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças O Cancro Não é Só uma Doença; é um conjunto de doenças; efeitos secundários da medicação Ocupação em Tempo de Baixa Os cancros dos amigos e familiares Palavras Alheias a Propósito do Propósito Parabéns Partilhar a Doença Perdas Pós-cirurgia Pós-operatórios Prazer em encontrar quem nos entende Prazeres Prevenção Prevenção de Recidivas Processo de Recuperação Projetos de Sensibilização Quimioterapia Radioterapia Rastreio do Cancro da Mama Reações Alheias Reações Pessoais Reconstrução Mamária Regresso à normalidade Regresso ao Trabalho Sentimentos negativos Sexualidade Sinais Sintomas Solidão Tamoxifeno Terapias Toque Tram Flap Tratamentos Verdade Verdadinha Vitórias Vontade de ter poder sobre a doença

riscos marcantes

riscos marcantes

NOTE BEM

No dia 11.1.11, este blogue passou a ser escrito à luz do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Quando um Início é "sinónimo" de um Fim


Ao longo destes meses em que tenho vindo a conhecer as amigas que fiz em 2010, tenho notado um relato comum a muitas, que é o desabafo relativamente a amigos que perdemos durante a nossa história de cancro. E eu que pensava que isso só tinha acontecido a mim, porque, sem entender, não conseguia aceitar!...
Hoje, já em 2011, à beira de perfazer três anos como mastectomizada, percebo que, apesar de a vida não parar, todas nós encerrámos um ciclo e iniciámos outro no dia em que nos levaram um pedaço do nosso corpo (e da nossa alma). Foi violento o bater da porta, tão violento que ela se fechou e abriu de imediato, tão violento que muitos não gostaram do ranger que lhe ficou a partir daí e, por isso, partiram do nosso núcleo duro sem sequer se despedirem ou sem demonstrarem que chegámos a ser importantes para eles...
Não costumo fazer balanços, mas, a respeito de 2010, nunca esquecerei a aprendizagem de vida positiva que me foi proporcionada pelas meninas do Gang da Mama. E tenho de oferecer um abraço apertadinho a cada uma.
Bem hajam, minhas queridas, pois agora já consigo segurar-me na caminhada por novas veredas. Já não estou permanentemente à espera de quem eu achava impossível que partisse. Aprendi que a amizade e o amor não são incondicionais e que a vida nos oferece a liberdade de nos afastarmos de muitos daqueles com quem não nos identificamos.
Aprendi a respeitar essa realidade e, apesar de a mágoa me ter retirado qualidade de vida, durante tempo a mais, contribuiu para que eu agora seja mais prudente nos gastos das energias positivas.
O cancro não é UMA doença; é um conjunto de doenças, e, como tal, surpreende-nos em todos os dias da nossa luta, e surpreende também aqueles que nos rodeiam, dos quais, uns aceitam as nossas reações e outros não.
Ninguém sabe como reagirá se for assolado por um cancro, como não sabe como reagirão os seus amigos, a variadíssimos níveis. Não aceitar as diferenças reconhecidas num amigo de longa data será, do meu ponto de vista, como não se aceitar a si próprio, quando se der o auto-reconhecimento de que muitos dos comportamentos pós-cancro são verdadeiras surpresas com as quais é difícil lidar, mas trazem consigo a oferta de uma força nunca imaginada possível pelo doente.
Os amigos que não nos aguentaram passam a figurar no nosso álbum de boas recordações. Já nem interessa lembrar que não conseguiram acompanhar-nos durante o período menos bom da nossa existência. Porque se trata de viver fases distintas de um percurso, e, se em determinada fase temos a companhia de A, B e C, noutra serão fundamentais E,F e G. E por aí fora.
Diz-se que os amigos se revelam nas circunstâncias... O meu cancro foi a circunstância da minha vida. Mas doeu tanto perder várias pessoas como me fez crescer incomensuravelmente a alma ter conhecido muitas outras!

9 comentários:

Ana Camões disse...

OLa Guida, como te entendo... Mas o importante é chegarmos á conclusão que aqueles que ficaram pelo caminho é porque não eram verdadeiros amigos!
Desde o inicio que te "leio" e gosto muito!!!! ÉS uma SER MARAVULHOSO e quem não te conseguiu acompanhar nesta fase dificil e menos boa da vida, é porque não merece a tua atenção, a tua amizade o teu sorriso!!
Continua LINDA como és!
E Obrigada por te cruzres comigo em 2010 :-)

Natália disse...

Também eu agradeço o ter-te conhecido.
És uma boa amiga.
Beijinhos e bom fim de semana.
E Nunca te esqueças.

"Amigos não abandonam"

Se abandonaram é porque não interessavam para nada.

Guida Palhota disse...

Tendes razão, minhas amigas. Agora, no segundo ato da minha vida, sinto-me mais madura para aceitar que nem todos aqueles de quem gosto suportem a minha sinceridade e a minha frontalidade, e, por isso, prefiram retirar-se. Conseguir deixar de ser direta, dizendo tudo, é que é mais difícil, mas ainda conto aprender também isso.

Beijocas, Ana e Naná

Graça disse...

os bons amigos, são aqueles que ficam em qualquer circustância,nunca te abandonam, os outros que se F..... nem percas tempo a pensar neles.
beijos grandes AMIGA

IsaLenca disse...

Há amigos e há Amigos. E nesta nova fase da tua vida sabs que tens Amigos. Novos, recentes, mas estão aqui para o que der e vier.

E eu gostei muito de me cruzar contigo e espero poder fazer continuar a fazer parte dos Amigos.
Porquê? Simplesmente porque sim, porque és uma Pessoa Linda!

Gatapininha disse...

Pois é Guida, amigos só são aqueles que ficam ao nosso lado, os outros são meros conhecidos.
jokas

Madalena disse...

Guida, as tuas palavras vão muito para além dos olhos e da compreensão. Tocam muito no que de nós é muito verdadeiro: os nossos medos! Um beijinho grandeeeeeeeeeeeeeeeeee

Maria de Lourdes disse...

Olá Guida
como tu descreveste tão bem o que se passa com todas nós, claro isso assim descrito, só pode ser por alguem com capacidade, e conhecimento de causa e tu tens as duas.
No fundo todas passamos pelo apreço de uns a ignorancia de outros,alguns não se preocupam em disfarçar até alguma satisfação,e até inveja de termos quem nos acarinhe.Quanto a isto temos de deixar que o tempo passe, e que nos vamos podendo encontrar, desabafar os nossos receios, dizer nossas maluqueiras e voltarmos para nossos lares mais leves e bem dispostas. e Viva a Vida: beijinhos

Geninha disse...

Olá Guida como eu te entendo tão bem. Será que esses ditos a que chamava-mos amigos se lhes bater a doença á porta fogem deles próprios?

Beijinhos